• Empresa Júnior

Design Thinking: solucionando problemas de forma criativa


Motivação


No último mês, a nossa parceira Lojas Americanas, por intermédio da profissional Júlia Pareja, lecionou o seu primeiro treinamento remoto de Design Thinking. Nossa equipe participou dessa turma e conseguiu, por ela, aprender de forma prática os conceitos iniciais da metodologia. Inspirados e motivados, optamos por compartilhar todo o aprendizado adquirido no nosso Blog, objetivando transmitir nosso conhecimento para o maior número de pessoas possível.


O que é Design Thinking e qual é a sua função


Design Thinking é o conjunto de métodos que intenta abordar problemas, analisar conhecimento, buscar por oportunidades e propor soluções. Isso tudo com uma abordagem de centralização no ser humano ao curso do desenvolvimento de projetos. Além disso, busca ainda incluir a criatividade - em prol da geração de tais soluções mencionados - e a razão - para analisar e adaptar estas a cada contexto.


Adotado principalmente no mundo dos negócios, essa metodologia tem como principal premissa o entendimento de processos que designers usam ao produzir soluções criativas. Ao seguir essa lógica, entende-se que indivíduos e empreendimentos seriam mais capazes de se conectar e revigorar seus processos de criação a fim de elevar o nível de inovação e singularidade.


Ao utilizar esses métodos e processos próprios do design em outras esferas de conhecimento, o Design Thinking inclui variados ângulos e perspectivas para a solução dos problemas que apareçam, priorizando o trabalho colaborativo em equipes interdisciplinares e plurais em busca de soluções transformadoras.


Dessa forma, busca-se "mapear a cultura, os contextos, as experiências pessoais e os processos na vida dos indivíduos para ganhar uma visão mais completa e, assim, melhor identificar as barreiras e gerar alternativas para transpô-las”. O Design Thinking propõe, aqui, que novos olhares sejam adotados em face aos problemas e que um ponto de vista mais empático seja posto em prática, de modo a colocar as pessoas no foco da questão e, por conseguinte, gerar resultados que são mais favoráveis a elas. Não deve-se esquecer, contudo, que, em paralelo, é necessário que transformar ideias em realidade seja financeiramente interessante e tecnicamente viável. Por conta disso, inclusive, o Design Thinking aparece sendo uma técnica adequada justamente para momentos de incerteza absoluta.


Processos e Etapas


No contexto de proposta do Design Thinking, sua metodologia consiste em uma abordagem destrin-chada em 5 etapas principais: Empatia, Definição de Problema, Geração de Ideias, Prototipagem e Teste.

Empatia - Essa fase consiste do aplicador de realizar uma imersão para compreender para quem seu projeto se direciona: E dessa forma, ter clareza sobre quais são as necessidades humanas daquela pessoa. É uma etapa que envolve observação e um grande volume de pesquisa, e se trata do pontapé inicial da metodologia.


Definição do Problema - A partir das informações coletadas na etapa de empatia, esse é o momento de análise e interpretação sob o que foi observado sobre os desafios da pessoa que se direciona. Com base nesse volume de dados, se busca sintetizar e definir os problemas centrais da situação consta-tada. Dessa maneira, o diagnóstico das problemáticas é o que norteia o desenvolvimento das alternativas do serviço.


Geração de Ideias - Tendo como suporte as etapas anteriores, esse é o momento em que se começa a fomentar diversas alternativas frente ao problema apontado. Essa fase é uma parte de crucial abertura do processo, pois nesse estágio o aplicador pensa buscando sair da caixa para expandir ao máximo suas possibilidades de solução.


Prototipagem - Com base nas alternativas pensadas na fase anterior, o estágio de prototipagem é o momento de experimentação: essa fase consiste em colocar em prática as alternativas oriundas da etapa de geração de ideias, e materializar um volume de versões das ideias em escala reduzida.


Teste - Por fim, essa fase consiste em realmente testar as ideias fomentadas na realidade da pessoa compreendida, e observar como elas atendem às necessidades e problemáticas encontradas. Porém, é justamente nesse momento que o Design Thinking coloca mais em voga seu caráter iterativo: quando as ideias do projeto se inserem no contexto abordado, se tem uma visão mais clara sob quais ajustes deverão ser feitos para compreender as necessidades da pessoa, ou até mesmo, considerar outros problemas mais observados à partir da fase de teste.


É importante compreender que apesar da ordenação das etapas, o Design Thinking não é um processo linear: sua dinâmica consiste em uma construção de constante tentativa e aprendizado e, dessa forma, voltas e repetições de seus estágios. Sendo assim, as etapas deste método consistem em diferentes funções para agregar ao projeto, mas não precisam ser rigidamente sequenciais.


Aplicabilidade e Relevância no mundo


O Design Thinking ganhou popularidade em 1978, pela IDEO, que desenvolveu o mouse da Apple e a garrafa pet da Pepsi. Nesse contexto, a companhia foi responsável em aprimorar ainda mais a metodologia e impulsionar sua aplicabilidade na geração de produtos e serviços. Porém, apesar de seu nome, o método não foi feito para se restringir necessariamente no campo do design. Tim Brown (CEO da IDEO) enfatizou na época como a estratégia do Design Thinking é destinada para qualquer meio de negócio: Sua metodologia de imersão, análise e compreensão pode ser aplicada nos mais variados campos de atuação, pois tem como propósito a geração de soluções criativas frente à uma necessidade humana observada.


Por isso, essas soluções se moldam essencialmente pelo problema abordado, e não pela categoria da solução. Atualmente, companhias com diversas frentes adotam esse método para sua gestão e abordagem. Entre as empresas que utilizam essa estratégia, se encontram a Airbnb, a IBM e a Uber Eats. Mas não se precisa ser necessariamente uma grande companhia para aplicar o método, pois sua adaptabilidade permite que o aplicador precise, inicialmente, apenas buscar entender qual é a situação em que quer utilizá-lo.


Dessa forma, entende-se que o Design Thinking tem uma abordagem integralmente adaptável, pois consiste em uma compreensão holística sobre as pessoas que circundam o método. Por isso, é necessário apenas estar aberto a observar para dar início à utilização da metodologia e permear suas dimensões.


  • Carolina Peçanha e Flora Nolasco

Rua Marquês de São Vicente, 225
Gávea Rio de Janeiro – RJ

21 3527 1782

images.png
logo-instagram-png-fundo-transparente4.p
facebook-logo-with-rounded-corners_318-9

Site desenvolvido por Empresa Júnior PUC-Rio